MP-AM aciona Justiça para garantir a democratização das eleições para o Conselho Municipal de Saúde

foto cms

O Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), por meio da 58ª Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos à Saúde Pública (58ª PRODESHP), ajuizou Acão Civil Pública com pedido de liminar para obrigar o Município de Manaus e o Conselho Municipal de Saúde a editarem e publicarem Resolução que normatiza a eleição para composição do Conselho Municipal de Saúde, triênio 2018-2020, com parâmetros que assegurem a sua representatividade democrática.

A ACP é decorrente do Inquérito Civil n. 1319/2017, no qual se comprova a desconformidade legal do Conselho Municipal de Saúde de Manaus com a norma que rege o processo de escolha dos conselheiros de saúde, a Resolução Federal nº 453/012. Tal Resolução determina que seja feita a eleição direta, por voto escrito, com participação de todos aqueles que integram as entidades que satisfaçam os critérios de representatividade perante o Conselho Municipal de Saúde.

Com fundamento no art. 11 da Lei 7.347/85 e no art. 297 do CPC, a titular da 58ª PRODESHP, Promotora de Justiça Silvana Nobre, pede a fixação de multa diária por descumprimento das obrigações, em valor a ser arbitrado pelo Juízo, imposta, cumulativamente, ao Município de Manaus, ao Prefeito de Manaus Artur Virgílio do Carmo Ribeiro Neto, ao Conselho Municipal de Saúde e à Presidente do Conselho Municipal de Saúde, Cecília Leite Motta de Oliveira.

Dentre os pedidos incluídos na ACP, destacam-se:

  • Declaração de nulidade dos Decretos de designação dos conselheiros do Conselho Municipal de Saúde, representantes de entidades/movimentos sociais de Usuário, entidades de Profissionais de Saúde, Comunidade Científica, Prestadores de Serviços e Entidades Empresariais, cuja indicação ou eleição, não decorreu de processo eleitoral;
  • Afastamento, em caráter definitivo, dos conselheiros Cecília Leite Motta de Oliveira, representante de entidade dos farmacêuticos e Alberto Jorge Rodrigues da Silva, representante de Entidade de Psicologia, do Conselho Municipal de Saúde, em razão de ocuparem cargo de conselheiro no Conselho Estadual de Saúde;
  • Inclusão de entidades que obrigatoriamente devem ter assento no conselho Municipal de Saúde por determinação do Item III, Terceira Diretriz da Resolução nº 453/2012, mas que não foram contempladas no art. 4º do Decreto nº 3838/2017;
  • Destinação de vagas de titular e suplente, à representação das Entidades de Povos Indígenas;
  • Despersonalização, por meio de lei, das vagas destinadas à UEA, UFAM, Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Superior, Federação de Movimentos Populares e Sociais do Estado do Amazonas, Pastoral da Saúde - Cáritas Arquidiocesana de Manaus, Povos e Comunidades Tradicionais de Terreiro e de Matrizes Africanas, Fórum Permanente em Defesa da Saúde do Amazonas, Movimento de Mulheres em Saúde;
  • Despersonalização, por meio de lei, das vagas destinadas a específicas categorias de profissionais de saúde, a fim de possibilitar a ampla participação de entidades representantes de todas as categorias de profissionais que atuam na área da saúde, como fisioterapeuta, nutricionista, e, inclusive, administrador, contador, dentre outros.

Últimas Notícias
Intervenção Federal será tema de palestra na ESMAM

Notícias
 A Escola Superior da Magistratura do Amazonas (ESMAM) está com inscrições abertas para a palestra...
Provas do XVIII Exame de Seleção de Estagiários de Direito será no CMPM VIII

Notícias
O Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional do Ministério Público do Estado do Amazonas informa que a prova do...
Procurador-Geral de Justiça participa da inauguração do Fórum Cívil da Capital

Notícias
O Procurador-Geral de Justiça Carlos Fábio Braga Monteiro participou, na manhã desta quarta-feira, 20 de junho, da...
MP nas Escolas visita unidade de ensino na zona sul de Manaus

Notícias
A equipe do projeto MP nas Escolas visitou a Escola Municipal Estelita Tapajós, localizada no bairro Educandos, zona...