MP-AM e órgãos de defesa do consumidor entram com ação civil pública contra a Eletrobras

 

AÇÃO ELETROBRAS

Em coletiva de imprensa, realizada na tarde desta terça-feira, 18 de abril, o Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), os órgãos de defesa do consumidor e entidades públicas, se reuniram para assinatura simbólica de uma ação civil pública por danos morais coletivos contra a Eletrobras . A reunião foi realizada na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/AM).   
A ação questiona a qualidade dos serviços prestados pela distribuidora de energia, e acontece em decorrência das constantes interrupções de energia, dando enfoque ao apagão ocorrido no último dia 31 de março, em Manaus.


O documento destaca que a Eletrobras há tempos tem sido campeã em reclamações, perante os órgãos de defesa do consumidor e que o argumento apresentado pela empresa em nota, sobre o apagão, de que houve um desligamento nos circuitos Oriximiná-Silves, da linha 500KV Tucuruí-Manaus, não apresenta explicações convincentes sobre as causas verdadeiras da falha na prestação do serviço. “A Eletrobras apresentou uma nota justificando o apagão, mas não foi muito esclarecedora dizendo se foi uma coisa programada ou não, e até hoje não apresentou exatamente o motivo que ocasionou a queda de energia no último dia do mês de março”, afirmou o presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da OAB/AM, Marco Antonio Salum. Ainda de acordo com o advogado, a ação vai pedir dano moral coletivo no valor de R$ 8 milhões, que será destinada para o fundo do consumidor.


Para o titular da 51ª Promotoria Especializada na Proteção e Defesa do Consumidor (Prodecon), Doutor Otávio Gomes, essas investigações devem ser constantes, quando existe um longo histórico de quedas no fornecimento de energia elétrica no Estado do Amazonas, desrespeitando o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que existe desde o ano de 1998.  O Promotor  ainda ressaltou que já se faz necessária a criação de uma Vara de Justiça especializada no atendimento de interesses coletivos, tendo em vista as demandas nesse tipo de processo. “Já que a péssima qualidade do serviço prestado não é um comportamento recente, a Justiça precisa ser mais ágil em relação a esse tipo de demanda. Uma Vara especializada ajudaria na celeridade das ações”, argumentou o Promotor.
 

Além do MP-AM e a OAB/AM, participaram do ato o Departamento do Programa Estadual de Proteção, Orientação e Defesa do Consumidor (Procon-AM), o Procon Manaus, a Defensoria Pública do Amazonas (DPEAM), o Ministério Público do Amazonas (MPE-AM), a Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Municipal de Manaus (CMM) e da Assembleia Legislativa do Estado (ALEAM).


Últimas Notícias
Servidores demitidos em período eleitoral serão indenizados pelo Município de Maués

Notícias
Em Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público do Estado do Amazonas, o Município de Maués foi condenado...
MP-AM vai à Justiça pela renovação e manutenção dos veículos de transporte coletivo de Manaus

Notícias
A 81ª Promotoria de Justiça Especializada na Proteção e Defesa do Consumidor (Prodecon) ajuizou na última...
MP-AM denuncia estado falimentar da Fucapi e vai à Justiça para impedir novas matrículas

Notícias
O Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), por meio da 47ª Promotoria de Justiça Especializada em...
Sai a lista de inscritos para Remoção à 2ª PJ de Parintins

Notícias
O Conselho Superior do Ministério Público do Estado do Amazonas (CSMP) divulgou hoje, 16 de janeiro de 2018, no...