Justiça atende MP-AM e declara indisponibilidade de bens do patrimônio de prefeito de Envira

 

O Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), pela Promotoria de Justiça de Envira (PJENV), obteve decisão liminar pela indisponibilidade de bens no valor de R$240 mil do Prefeito do município, Ivon Rates, e de Antônio Augusto de Sá Pereira, ex-sócio do prefeito e locador do imóvel onde funciona a Prefeitura Municipal de Envira. O MP-AM reuniu provas de que o verdadeiro proprietário do imóvel é o próprio prefeito Ivon Rates.

“Como evidência o Inquérito Civil nº 03/2017 PJENV, o imóvel onde hoje está instalada a sede administrativa da Prefeitura Municipal de Envira/AM, originariamente pertencia a Ivon Rates da Silva, que o adquiriu em 1998, havendo transmitido referido imóvel a Antônio Augusto de Sá Pereira em 2009”, explicou o titular da Promotoria de Justiça de Envira, Kleyson Nascimento Barroso.

A indisponibilidade foi um dos pedidos feitos pelo MP-AM na Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa nº 0000021-86.2018.8.04.4001, impetrada no dia 31 de janeiro de 2018. O MP-AM também pediu a anulação do processo administrativo que dispensou a licitação para o aluguel do imóvel, a anulação de alguns registros lançados nos assentos do imóvel e o afastamento cautelar de Ivon Rates do cargo de prefeito, mas esses últimos pedidos foram negados, nesse primeiro momento, pelo Judiciário.

Segundo os depoimentos de Ivon e Antônio, o imóvel onde hoje é a sede da Prefeitura Municipal de Envira foi comprado em 1998 pelo primeiro. No ano de 1999, Ivon iniciou a construção de um hotel no terreno, onde só havia uma pequena casa de madeira. A obra teria sido interrompida por dez anos e retomada já em parceria com Antônio. Até aquele momento, Antônio trabalhava apenas como mestre de obras e havia construído a residência de Ivon, tendo um crédito de cerca R$ 40 mil pelos serviços. O crédito seria quitado com a divisão entre os dois do valor total do prédio.
Ainda em 2009, Ivon teria constatado que não poderia custear sua parte da construção e resolveu transferir a propriedade do prédio para Antônio, que depois repassaria a Ivon a diferença. Segundo os dois, o prédio teria sido finalizado com recursos de Antônio, que também pagou R$ 90 mil pela parte de Ivon.


Depois de eleito prefeito, no ano de 2012, Ivon teria procurado Antônio e demonstrado o interesse do município em alugar o prédio para instalar a sede da prefeitura municipal. A locação foi realizada por dispensa de licitação por imóvel certo, embora o MP-AM tenha demonstrado que o imóvel não tem características que o individualizam, o que justificaria a dispensa do processo licitatório.


Últimas Notícias
MP-AM denuncia escrevente cartorário por falsificação de documento oficial em Manicoré

Notícias
O Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Manicoré, ofereceu à...
CSMP divulga listas de inscritos em processos de Remoção no Interior e na Capital

Notícias
O Conselho Superior do Ministério Público do Estado do Amazonas publicou, na edição do dia 18 de abril de 2018, do...
Ceaf apresenta Coletânea de Atos Administrativos 2017

Notícias
Está disponível no portal do Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM) a edição de 2017 da Coletânea de...
Ceaf promove treinamento em mediação de conflitos para membros e servidores

Notícias
O Ministério Público do Estado do Amazonas, por meio do Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional, realiza, nos...