Justiça atende ao MP-AM e desonera contas de eletricidade protestadas em Novo Aripuanã

ELETRICIDADE NOVO ARIPUANÃ

O Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM) obteve decisão judicial para impedir a Eletrobras Distribuição Amazonas de protestar extrajudicialmente contas em atraso dos consumidores residentes em Novo Aripuanã. Para o MP-AM, o procedimento adotado pelo cartório extrajudicial do município vinha aumentando de forma abusiva os valores devidos pelos consumidores inadimplentes e violando os princípios da boa fé e da equidade, previstos no Código de Defesa do Consumidor. As cobranças via cartório devem ser suspensas imediatamente, sob pena de multa diária de R$ 10 mil à Concessionária.

“Não há previsão legal ou contratual para protesto de contas de energia elétrica. Assim, devem ser imediatamente suspensas tais cobranças, assegurando-se, destarte, a efetividade da prestação jurisdicional”, argumentou, em seu pedido, a Promotora de Justiça titular de Novo Aripuanã, Tânia Maria de Azevedo Feitosa.

Na decisão, datada do dia seis de dezembro de 2017, o Juiz Jean Carlos Pimentel dos Santos determinou a realização, em caráter de urgência, de audiência conciliatória entre a concessionária e o MP-AM.


Últimas Notícias
Servidores demitidos em período eleitoral serão indenizados pelo Município de Maués

Notícias
Em Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público do Estado do Amazonas, o Município de Maués foi condenado...
MP-AM vai à Justiça pela renovação e manutenção dos veículos de transporte coletivo de Manaus

Notícias
A 81ª Promotoria de Justiça Especializada na Proteção e Defesa do Consumidor (Prodecon) ajuizou na última...
MP-AM denuncia estado falimentar da Fucapi e vai à Justiça para impedir novas matrículas

Notícias
O Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), por meio da 47ª Promotoria de Justiça Especializada em...
Sai a lista de inscritos para Remoção à 2ª PJ de Parintins

Notícias
O Conselho Superior do Ministério Público do Estado do Amazonas (CSMP) divulgou hoje, 16 de janeiro de 2018, no...