MP-AM ajuíza ação para forçar Governo do Estado a garantir condições de funcionamento da delegacia de polícia de Lábrea

delegacia-de-labrea


O Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), por meio da Promotoria de Justiça de Lábrea, ajuizou ação civil pública para obrigar o Estado do Amazonas lotar na delegacia de polícia do município, em caráter de urgência, um delegado de polícia, pelo menos um escrivão, quatro investigadores/ agentes de polícia. Além dos servidores, que devem ser todos concursados para atuarem especificamente em Lábrea, o MP-AM requereu o reaparelhamento da unidade policial com viaturas, equipamentos e material de consumo para o correto desempenho das atividades cartorárias, garantindo o cumprimento do disposto no art. 144 da Constituição Federal. A ação foi impetrada no dia 31 de agosto de 2017.

“A situação da Delegacia de Lábrea, seja no aspecto de segurança, seja no quesito de cumprimento de suas finalidades, é preocupante e urgente, pois a persistir essa situação fática, em pouco tempo, o Estado perderá completamente o poder de reação e massacres ou violações de direitos humanos podem ocorrer”, argumentou o Promotor de Justiça Alessandro Samartin, que atuou no caso.

A ação proposta pelo MP-AM decorreu da situação encontrada pelo Promotor de Justiça em inspeção realizada no dia 05 de agosto de 2017. Segundo a informação oficial, 44 pessoas estavam detidas na unidade. Entre os presos, alguns desempenhavam a função de carcereiros. As celas não são revistadas há algum tempo, embora exista notícia da entrada de armas, drogas e celulares. Os livros de registros de inquéritos policiais e de remessa ao Judiciário estavam desatualizados desde maio de 2016. Não se encontrou qualquer controle de armas e drogas apreendidas, tendo sido encontradas várias armas longas pelo chão da sala do delegado. A maioria dos flagrantes não é formalizada, tampouco os inquéritos policiais feitos conforme a legislação processual penal.

“Para surpresa e preocupação de todos, descobriu-se que na Delegacia de Polícia existe apenas um investigador de polícia assumindo, de forma inconstitucional, a função de delegado de polícia, escrivão, investigador e responsável administrativo da delegacia, em total impossibilidade de atuação. Apesar de todo o esforço do investigador, é evidente, não por sua culpa, a completa impossibilidade de exercício e funcionamento adequado das atividades da polícia judiciária naquele município”, disse o Promotor Alessandro Samartin.  

De acordo com a ação civil pública, o Promotor requer o recebimento da petição juntamente com a documentação que a acompanha – Relatório de Inspeção do CNMP. Dentre os pedidos estão: A concessão de tutela de urgência de natureza antecipada, para determinar ao Estado do Amazonas, à designação ou nomeação de 1 (um) delegado de polícia de carreira, pelo menos 1 (um) escrivão, 4 (quatro) investigadores e/ou 4 (quatro) agentes de polícia, todos concursados, para atuarem especificamente neste Município, além de reequipar a Delegacia de Polícia e fornecer duas viaturas em perfeito estado, para que sejam utilizadas no serviço público, fornecendo, ainda, todo aparato material e humano, a fim de que os policiais civis possam desempenhar suas funções, dentro dos patamares mínimos necessários estabelecidos pela Constituição da República, sob pena de aplicação de multa pessoal contra o Governador do Estado do Amazonas de 5 (cinco) vezes o seu subsídio, nos termos do Art. 537 do NCPC, por dia de omissão, contados a partir da notificação dessa medida antecipada.

 

Por se tratar de demanda envolvendo matéria exclusivamente de direito, sem a necessidade de produção de outras provas, a petição requer que seja proferido julgamento antecipado de mérito, nos termos do Art. 355, I, do NCPC, para condenar o Estado do Amazonas, confirmando a liminar suprarrequerida, a designar ou nomear 1 (um) delegado de polícia de carreira, pelo menos 1 (um) escrivão, 4 (quatro) investigadores e/ou 4 (quatro) agentes de polícia, todos concursados, para atuarem especificamente neste Município, além de reequipar a Delegacia de Polícia e fornecer duas viaturas em perfeito estado, para que sejam utilizadas no serviço público, fornecendo, ainda, todo aparato material e humano, a fim de que os policiais civis possam desempenhar suas funções, dentro dos patamares mínimos necessários estabelecidos pela Constituição da República.

A causa tem o valor de R$100.000,00 (cem mil reais),apenas para efeitos fiscais.

 

O que diz a Constituição

Art. 144. A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos:

        I -  polícia federal;
        II -  polícia rodoviária federal;
        III -  polícia ferroviária federal;
        IV -  polícias civis;
        V -  polícias militares e corpos de bombeiros militares.

    § 4º Às polícias civis, dirigidas por delegados de polícia de carreira, incumbem, ressalvada a competência da União, as funções de polícia judiciária e a apuração de infrações penais, exceto as militares.


Últimas Notícias
Servidores demitidos em período eleitoral serão indenizados pelo Município de Maués

Notícias
Em Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público do Estado do Amazonas, o Município de Maués foi condenado...
MP-AM vai à Justiça pela renovação e manutenção dos veículos de transporte coletivo de Manaus

Notícias
A 81ª Promotoria de Justiça Especializada na Proteção e Defesa do Consumidor (Prodecon) ajuizou na última...
MP-AM denuncia estado falimentar da Fucapi e vai à Justiça para impedir novas matrículas

Notícias
O Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), por meio da 47ª Promotoria de Justiça Especializada em...
Sai a lista de inscritos para Remoção à 2ª PJ de Parintins

Notícias
O Conselho Superior do Ministério Público do Estado do Amazonas (CSMP) divulgou hoje, 16 de janeiro de 2018, no...