MP-AM recorre à Justiça para promover a numeração dos logradouros públicos em Tabatinga

TABATINGA PREFEITURA

 

O Ministério Público do Estado do Amazonas, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Tabatinga, ajuizou Ação Civil Pública com pedido de liminar para obrigar a Prefeitura a efetuar a numeração dos logradouros públicos daquele município, localizado a mais de 1000 quilômetros de Manaus. A Ação toma por base notícia de fato recebida da justiça federal em Tabatinga, que aponta as dificuldades para realizar citações por causa da desorganização e  falta de numeração das casas. Diante do problema, confirmado na referida investigação, o titular da 1ª PJTBT, Promotor de Justiça Carlos Firmino Dantas, decidiu recorrer à Justiça em razão da evidência de dano à continuidade dos serviços públicos.

“Analisando os fatos, vislumbra-se que há dano, provocado pela má gestão da coisa pública e em prejuízo da continuidade da prestação dos serviços públicos, pois os logradouros, casas, comércios não têm endereço completo, havendo por vezes repetição de números na mesma rua. Tal fato tem atrapalhado a realização de citações, intimações e entregas dos correios, pois cada morador coloca o número que lhe convém e a prefeitura, mesmo oficiada, não toma providências”, observa o Promotor de Justiça.

Na ACP, o Promotor de Justiça Carlos Firmino Dantas informa que o prefeito de Tabatinga, Saul Bemergui, chegou a responder ao ofício do MP, no dia 28 de março de 2017, mas não agiu no sentido de promover a regularização dos números da cidade. Diante disso, o titular da 1ª PJTBT decidiu recorrer à Justiça, a fim de obrigar a Prefeitura a organizar a numeração da cidade, adequando e pintando os números em cada casa, a fim de que os endereços sejam completados, e o urbanismo previsto no Estatuto da Cidade seja atingido.

Na ACP, o MP-AM requer, de forma liminar, a citação do prefeito e do secretário-executivo, Bismark júnior Martins Sales, para que, em 90 dias, apresentem estudo e plano de trabalho para a numeração dos imóveis de Tabatinga-AM, que deve ser efetuada no prazo de 180 dias.

O descumprimento enseja a aplicação de multa diária de R$ 1 mil nos subsídios do prefeito e secretário-executivo, com desconto em folha, que deve ser remetida ao fundo previsto no art. 13 da Lei nº 7.347, de 24 de julho de 1985, que disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico.

Na análise do mérito, o MP-AM requer a condenação do Município de Tabatinga à obrigação de fazer o requerido na tutela de urgência e, ainda, a mudança de cadastro de IPTU dos logradouros, com informação às companhias de energia, água e telefone os números de cada imóvel.


Últimas Notícias
Servidores demitidos em período eleitoral serão indenizados pelo Município de Maués

Notícias
Em Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público do Estado do Amazonas, o Município de Maués foi condenado...
MP-AM vai à Justiça pela renovação e manutenção dos veículos de transporte coletivo de Manaus

Notícias
A 81ª Promotoria de Justiça Especializada na Proteção e Defesa do Consumidor (Prodecon) ajuizou na última...
MP-AM denuncia estado falimentar da Fucapi e vai à Justiça para impedir novas matrículas

Notícias
O Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), por meio da 47ª Promotoria de Justiça Especializada em...
Sai a lista de inscritos para Remoção à 2ª PJ de Parintins

Notícias
O Conselho Superior do Ministério Público do Estado do Amazonas (CSMP) divulgou hoje, 16 de janeiro de 2018, no...